Ruína e Ascensão
17 de dezembro de 2021

Neste grande desfecho, vamos embarcar no final da tão aguardada continuação da trilogia Grisha. Venha conhecer tudo sobre Ruína e Ascensão, o terceiro volume da trilogia: “Sombra e Ossos“, de Leigh Bardugo.

Se você ainda não leu as respectivas resenhas de Sombra e Ossos e Sol e Tormenta, eu recomendo ler e voltar depois. Em razão de conter alguns spoilers dos livros anteriores.

Recapitulando

Ruína e Ascensão tem início pouco após o chocante encerramento de Sol e Tormenta. Alina permanece praticamente enterrada viva no subsolo, “protegida” pelo não confiável Apparat, duvidoso em caráter e intenções contestáveis, infelizmente cercada de fiéis que a veneram como uma Santa. A tal Conjuradora do Sol, da profecia ancestral. 

No entanto, ela está cada vez mais fraca e abatida pela falta de luz, natural provedora de seu maior poder. E para piorar a situação já alarmante, há a obstinada vigilância do dito Apparat. Apenas outro problema com o qual lidar, devido ao drástico impedimento de conseguir realizar contato com seus amigos, especialmente Maly.

Ademais, a preocupante crueldade descontrolada do Darkling segue sem precedentes, dizimando incontáveis Grishas e inocentes pela frente por vingança. 

Nikolai encontra-se desaparecido; debaixo da terra, Alina acaba consumida pelos piores temores e aflições por não saber se ele está vivo ou morto. O verdadeiro cenário é desolador. Existe alguma mínima esperança de derrotar o Darkling, combatendo suas forças das trevas? Ainda será possível salvar Ravka?

“Sofrimento é barato como barro e duas vezes mais comum. O que importa é o que cada homem faz com ele.”

Momentos emocionantes

Acredito que, momentos emocionantes estão presentes a todo instante — nesse desfecho espetacular dessa trilogia, que conquistou tantos fãs mundo afora. O leitor irá rir, chorar, emocionar-se, vibrar e ser arrebatado uma última vez por essa história maravilhosa. 

“Talvez o amor apenas significasse ansiar por alguém incrivelmente brilhante e para sempre fora do alcance.”

Além disso, essa continuação está muito bem escrita pela escritora Leigh Bardugo. Porque, justamente, temos o que muitos esperavam. As pontas soltas vão sendo amarradas ao longo da narrativa fantástica e contam com diálogos coesos e objetivos para melhor esclarecimentos explícitos. Principalmente, em se tratando dos mistérios e segredos revelados. Assim, tudo parece fazer sentido.

Sem mencionar, as revelações bombásticas e dramas familiares envolvidos. Incluindo, toda a trama política, cerco de conspirações e traições. Então, preparem-se para cenas inéditas de tirar o fôlego. Desperta diversas sensações empolgantes, com certeza. O romance amadurece lentamente, o que acho bacana quando ocorre o inesperado.

Crescimento da heroína forte

“Eu não estou arruinada. Eu sou a ruína”

Sem dúvida, entrei em êxtase por ver o quanto cada personagem cresceu e desempenhou seu próprio papel fundamental. Em geral, o constante processo de evolução da protagonista, Alina Starkov, trouxe uma satisfação enorme.

“O que é infinito?”, ela recitou. Eu conhecia bem aquele texto. ‘O universo e a ambição do homem’, eu respondi a citação.”

Uma vez que, ela foi de órfã perdida insegura para única Conjuradora do Sol viva, à santa Alina. Depois, assumiu uma versão dela mesma da qual pôde orgulhar-se, capaz de sentir-se confortável estando na própria pele e conviver com as escolhas feitas por ela mesma, e ninguém mais.

Despedida de personagens marcantes

“Pelos Santos, Alina! Espero que não espere que justo eu seja a voz da razão. Mantenho uma dieta rígida de entusiasmo imprudente e arrependimento sincero.”

Confesso que é algo difícil precisar dizer adeus para esses personagens cativantes, reais, de sentimentos humanos e poderosos.

Por este motivo, fiquei com o coração na mão, em várias passagens. Obviamente, torcendo por todos eles em busca de redenção.

Evidentemente, o amadurecimento tanto dos protagonistas quanto dos personagens secundários recebe destaque, novamente. Gosto muito da maneira que, individualmente, possuem uma história para ser contada com suas motivações apresentadas. Mesmo pela nossa perspectiva principal através do ponto de vista de Alina.

Profecia concretizada

“Não há poder maior do que a fé,  e não haverá um exército maior do que aquele impulsionado pela fé.”

O martírio da Santa Alina torna-se um fardo quase insuportável, nossa heroína passa por sofrimento e tormentos inigualáveis.

Vamos ver como a fé cega do povo nas lendas proféticas pode transformar-se em algo ruim igualmente, no caso da dependência, corrupção e fanatismo. Ao invés de ser o milagre esperado de suas vidas e fazer acontecer por eles mesmos. Uma esperança deve fortalecer a luta, unir forças e renovar as convicções e não aprisionar as pessoas com crenças limitantes, até tóxicas, às vezes.

Dito isto, a pressão em cima da garota chega a  sufocar em dado momento. Apesar de dominar a pequena ciência, seu indescritível poder raro, finalmente cobrará um preço caro. Será que a Dobra das Sombras e o temido Darkling serão eliminados?

Lealdade, coragem e destino são postos à prova. 

O Grand Finale 

No meu ponto de vista, Leigh Bardugo, certamente entregou tudo nessa conclusão.  Em outras palavras, ela fechou com chave de ouro. Achei ótimo, pois não há final em aberto. Aleluia! Entretanto, contém ênfase de acontecimentos importantes para ser explorado nos próximos spin-offs, livros derivados desse universo da trilogia Grisha.

A meu ver, a expansão da ambientação vista desde o começo, deixa claro como a narrativa  de fantasia épica jovem desenvolveu o potencial ambicioso, de modo excelente. Portanto, atendeu minhas expectativas. 

Porém, creio eu, por uma questão de gosto pessoal. Realmente, eu esperava um final diferente, menos controverso, do que aquele clichê de “vida humana normal e felizes pra sempre“. Afinal, os personagens são extraordinários e aprenderam tanto no decorrer desse árduo caminho repleto de aventuras, mudanças, perigos e provações.

Mas, enfim, curti muito acompanhar esse enredo original. E, claramente, estou ansiosa para o que nos aguarda com as adaptações da série do Grishaverso na Netflix.

Amor, amizades, superação, aceitação, esperança e recomeços, também são temas trabalhados neste terceiro volume.

Ficha técnica

Título: Ruína e Ascensão: Volume 3 da Trilogia Sombra e Ossos
Autor(a): Leigh Bardugo
Número de páginas: 336 páginas
Gênero: Ficção | Romance | Fantasia
Coleção: Planeta Minotauro
Editora: Planeta
Idioma: Português

Gostou? Alguém já leu? Adquira já o seu exemplar de Ruína e Ascensão. Disponível tanto em formato digital (e-book) quanto físico lá na Amazon

Post escrito por Debora Sapphire

Jovem empreendedora e Assessora de Imprensa. Influencer literária. Criadora de Conteúdo. Dona e colunista do blog Arte da Literatura. Certificação Internacional de Cambridge.

Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. Patrícia Camargo da Silva

    30 de dezembro de 2021

    Chocada com esse livro, já quero ler!

  2. Caroline Silva

    28 de dezembro de 2021

    Adoro trilogias, tanto em livros quanto em filmes. Esse não conhecia, férias vem aí, vai pra minha wishlist 😉

  3. renir fonseca

    28 de dezembro de 2021

    Resenha incrível e super completa amei 😘 Amei amei!!!

  4. Lucimar da Silva Moreira

    28 de dezembro de 2021

    O livro tem uma história incrível, detalhes da história são fantástico, perfeita a resenha ainda não li mas confesso que fiquei com bastante curiosa pra ler , bjs.

  5. Thamires

    23 de dezembro de 2021

    Debora amiga, você não sabe como estou ansiosa para concluir essa trilogia, amei saber que a autora entregou tudo e mesmo esperando mais do final, você gostou, conferir a resenha só me deixou curiosa para saber sobre o final.

  6. Carol Cavalcanti

    22 de dezembro de 2021

    Resenha super completa e bem escrita! Amei!
    Ainda não li esse último volume, mas já está na meta para o próximo ano rsrs