26 de novembro de 2020

Oi gente, tudo bem? Como está sendo a semana de vocês? Por aqui anda bem corrido e chovendo. Tempo estranho haha O bate-papo de hoje é sobre um dos melhores livros que li nos últimos tempos: A casa do lago. Recebido em parceria com a Editora Arqueiro.

Pensei bastante em como transformar um mar de sentimentos em palavras. Um grande desafio pois o livro tem quase 500 páginas. Confesso que estava sem prática em ler uma obra tão longa. Aquele receio de não conseguir expressar a grandiosidade dessa história. Mas tentarei, quando terminar conversamos novamente ok?

Quem me acompanha a mais tempo sabe o quanto sou fã de livros ambientados na Europa, especialmente Noruega (A mulher na cabine 10), Escócia (Outlander), Irlanda (Dublin Murders), Suécia e Inglaterra (Hora Morta). Grande parte dos suspenses que li no último ano são nesses países. Quem lembra de todas essas indicações? \o/

Se você já ouviu falar da série e/ou livro Poldark tem ideia de onde fica a Cornualha. A região é um Condado que pertence à Inglaterra. É onde grande parte de A casa do lago é ambientada. Só pelo título já é possível imaginar que o lugar é simplesmente incrível concordam? Não conhecem ainda? Deem uma busca no Google vão se surpreender!

A casa do lago
A casa do lago

A história em si tem diversos pontos que merecem atenção. Por que? Ela acontece ao longo de 70 anos. No entanto, a autora faz alguns ganchos para os acontecimentos de 1911. Passamos pela Primeira Guerra Mundial, pelo Titanic, pela Segunda Guerra Mundial e chegamos aos dias atuais. Amor à primeira. Encontros e desencontros. Perdas. Mágoas. Perdão. Mistério. E muita poesia.

A autora sabe como ninguém te envolver na simples descrição de um pôr do sol às margens de um córrego. O céu. As cores. Os sons. Os cheiros. A brisa no rosto. A sensação de calor. A grama sob os pés. É impossível não mergulhar em seus cenários. Se você morou no interior ou numa cidade pequena tem ideia ou já experimentou essas sensações não?

“A água do lago lambia as margens e o último dos rouxinóis se despediu. As toutinegras e as mariquitas-amarelas acordavam e, bem ao longe, um cavalo relinchou. Ela não sabia disso ainda, mas nunca se livraria desses sons. Eles a seguiriam a partir daquele lugar, a partir daquele momento, invadindo seus sonhos e pesadelos, sempre lembrando-a do que tinha feito.”

A casa do lago
Londres 2003

Sadie Sparrow (nossa protagonista) é detetive no Departamento de Investigações em Londres. Um caso de desaparecimento é arquivado sem solução. Por um “pequeno” deslize seu chefe a orienta pedir licença. É assim que pegamos a estrada e chegamos à Cornualha. Numa de suas corridas matinais Sadie se depara com a abandonada casa do lago.

Cornualha 1933

Voltamos no tempo. Conhecemos a família Edevane. O casal apaixonado Eleanor e Anthony. As irmãs Deborah, Alice e Clementine. E o bebê Theo. O inesperado acontece. A família antes perfeita sofre uma terrível perda o que muda suas vidas pra sempre. E assim eles abandonam Loeanneth (A casa do lago). Kate Morton durante a narrativa passeia entre passado x presente de maneira primorosa. Quase 500 páginas compartilhando com o leitor os acontecimentos dos últimos 70 anos. Confesso que quando li a sinopse cheguei a pensar que seriam acontecimentos pontuais. Ledo engano. É surreal o quanto a história foi bem desenvolvida.

A autora evolui as duas histórias de maneira surpreendente até que se encontrem. Em momento algum deixa pontas soltas. Talvez esse seja o maior elogio à essa obra. Todas as perguntas são respondidas.

“Alice tinha sido tomada por lembranças excepcionalmente viscerais: o cheiro da lama úmida do rio, os insetos da água voando em torno deles enquanto vagavam à deriva no velho barco a remo discutindo suas histórias favoritas. Alice tinha certeza de que não sentira um contentamento tão perfeito desde então.”

A casa do lago
Os personagens

Apesar de ser um intervalo de 70 anos não há muitos personagens o que nos permite analisá-los de maneira isolada. Impressionante como a autora trabalhou personalidades tão distintas. Quem se destacou na minha opinião foi Eleanor e Ben.

Eleanor ganhou minha simpatia por ter sido uma criança selvagem, livre e apaixonada pela vida. Já adolescente acreditava no amor à primeira vista. Na promessa do “felizes para sempre”. E mesmo depois não abria mão de seus princípios, da sua ética e moral. Uma daquelas pessoas que você quer ter por perto. Lembra muito eu mesma quando criança/adolescente.

Ben. Cigano. Alma livre. O mundo era sua casa. Levava todos a quem amava em seu coração. Justo. Correto. Trabalhador. Apaixonado pela vida. Amante dos jardins. Sorriso doce que conquista todos que se aproximam. Aquele a quem chamaríamos de amigo em qualquer oportunidade.

O amor

Como falar do amor sem sentir o coração quentinho? Este sentimento em sua forma mais pura. Cheio de abnegação. Paciência. Fé. Comprometimento. A cada parágrafo percebemos o quanto a história é inundada de amor. Descobrimos do que são capazes aqueles que amam. Promessas precisam ser cumpridas.

“O amor não guarda rancor.”

A maternidade

Durante a leitura enquanto está entretido talvez o leitor não perceba, mas ao término do livro “juntando as peças” é possível notar o quanto as relações familiares estão presente de maneira acentuada o relacionamento com as mães. Eleanor – Alice. Constance – Eleanor. Eleanor – Theo. Eleanor – Deborah. Ruth – Sadie. Eleanor – Clementine. São camadas e camadas que vão sendo desconstruídas ao longo de uma vida. Revelando admiração, tristeza, decepção, amor incondicional, e do que as mães são capazes para proteger seus filhos.

A guerra

Como falei anteriormente A casa do lago passeia pelas duas grandes guerras. Mesmo as famílias mais unidas podem sofrer com as marcas deixadas pelos conflitos. Esposas que precisam aprender a viver sozinhas, cuidar da casa, das crianças até que enfim suas vidas voltassem ao normal. Maridos/filhos que não voltam para casa. Ou ainda aqueles que voltam mas guardam traumas para toda a vida.

Esse tema é muito abordado pela autora. Inclusive nos créditos Kate Morton menciona como foi sua pesquisa de campo, mostra que os sites citados no decorrer do livro realmente existem e que é possível acompanhar diversos relatos de ex-combatentes. Fiquei pensando o quanto deve ser triste ou difícil para a família não saber o que os soldados vivenciaram.

“Não era tanto a descoberta de uma única pista, mas a reunião de muitos pequenos detalhes. Aquele momento em que o sol se desloca um grau e a teia de aranha, antes escondida, começa a brilhar como prata fina. Porque, de repente, Sadie pôde ver como tudo estava ligado e soube o que tinha acontecido naquela noite.”

O mistério

Minha parte favorita! O que me chamou atenção desde a sinopse claro. Dois mistérios: um bebê desaparecido sem deixar rastros, uma mãe desaparece e abandona sua filha de 4 anos. À frente dos dois casos está a detetive Sadie Sparrow. Será que ela conseguirá descobrir o que aconteceu e dar um encerramento aos casos?

O que dizer quando a autora cita Ágatha Christie? Quando um dos personagens ama mistério a ponto de fazer uma lista do que não pode faltar numa boa história? Ou ainda, como criar o melhor detetive? Kate Morton me fisgou aqui “até que a detetive surge para fazer perguntas sobre o passado, procurando desencavar uma complexa rede de segredos…” Passado + segredos tem combinação melhor para deixar o leitor curioso?

Eu poderia continuar escrevendo sobre A casa do lago até amanhã se deixassem (risos). Uma história muito intensa em todos os sentidos. Além é claro, de um cenário de tirar o fôlego. Nem preciso dizer que consegui imaginar com clareza de detalhes o bosque de Loeaneth. Mais um item na minha lista de lugares para conhecer após ler um livro.

Ah, já ia esquecendo. E o final? É surpeendente. Apesar de que se você prestar bemmm atenção consegue decifrá-lo em algum momento. Nas primeiras páginas criei várias teorias (claro né? haha) mas não acertei nenhuma. Preciso voltar a ler mistérios com mais frequência. Apenas leiam! 🙂

Agora me contem… conhecem a Kate Morton? Já leram alguma de suas obras? Que lugar gostaria de conhecer por causa dos livros? Deixe seu comentário tá?!?

Leia também: A mulher na cabine 10

Até o próximo post, Érika ♡

Nos acompanhe nas redes sociais
Facebook ♡ Instagram ♡ Twitter ♡ Pinterest

Erika Monteiro
Post escrito por Erika Monteiro

Descobri desde cedo quão incrível é o universo dos filmes, séries, livros e todo esse mundinho geek. Criei esse espaço para compartilhar experiências e trocar ideias.

Deixe sua opinião

Seu email não será publicado.



*

  1. Avatar

    Maria Luíza Lelis

    28 de dezembro de 2020

    Oi, tudo bem?
    Eu nunca li nada dessa autora, mas já tem um tempo que esse livro está no meu radar. E, mesmo se eu já não estivesse com vontade de ler, sua resenha iria despertar minha curiosidade. Amei saber um pouco mais da história, achei muito legal o fato de se passar em um intervalo de tempo tão grande. Além disso, gostei de saber que não tem muitos personagens e que eles são bem construídos. Os mistérios também me deixam bem curiosa e parecem ter sido bem construídos. Amei muito a sua resenha e ver o quanto você gostou da leitura.
    Beijos!

  2. Avatar

    CRIS

    12 de dezembro de 2020

    Oi Erika!
    Quando li o nome do livro fiquei pensando se não era um filme que tinha assistido que tem o mesmo título, lendo sua resenha percebi certas familiaridades com o mesmo. Faz muito tempo que assisti então acho que não se refere ao mesmo, mas enfim, adorei sua resenha os pontos que destacou ficou nítido de o quanto adorou ler e adoro livros que contam alguns detalhes sobre a guerra , tudo fica muito mais real. Obrigado pela dica, parabéns pela resenha, bjs!

  3. Avatar

    Tay Meneses

    8 de dezembro de 2020

    Não conhecia esse livro, mas fiquei super interessada em ler ele. Achei a proposta do enredo incrível, só de ler sua resenha. Sem falar que adoro enredos que mesclam passado e presente. Vou anotar a dica com certeza!

  4. Avatar

    Ana Caroline Santos

    7 de dezembro de 2020

    Olá, tudo bem? Assim como você, adoro ser transportada para vários países e lugares diferentes nos livros. Por isso, também amo demais Outlander. Não conhecia a autora e seus livros, e depois desses elogios rasgados fiquei hiper curiosa. Parece ser fantástico e as descrições sempre dão um charme a mais. Com certeza dica anotada, e ótima resenha viu?! Amei!
    Beijos

  5. Avatar

    Hadassa Loyris

    5 de dezembro de 2020

    Nossa já gostei. Se falo de livro que o contexto é baseado em investigação já gosto pelo que eu entendi o contexto é igual um livro que tenho se chama cilada e realmente ótimo, quero ler esse também.

  6. Avatar

    Carolina Trigo

    4 de dezembro de 2020

    Oi, Érika!
    Eu adoro conhecer novos países através dos livros. Inclusive, tenho um desafio que é exatamente sobre isso e obviamente eu tenho os lugares que mais quero conhecer, desde os países nórdicos até a Irlanda, que é o meu amorzinho.
    Sobre o livro, eu não o conhecia e nem a autora, e apesar de gostar muito de romances policiais, não consegui ficar muito interessada na história. Dessa vez, passo a dica.
    Bjss

  7. Avatar

    cila

    2 de dezembro de 2020

    Oi Erika, sua linda.
    As imagens da resenha ficaram lindas, super delicadas. Quero ler esse livro, com esse suspense e a vida de personagens que vivem em épocas diversas. As guerras como cenário são a cereja do bolo, sempre fico emocionada. Sua resenha ficou óima!!!
    beijinhos.
    cila.

  8. Avatar

    Carol Nery

    2 de dezembro de 2020

    Nossa, eu conheço a autora, mas não fazia ideia da existência desse livro. Apesar de não ser do meu estilo preferido de literatura, creio que deve ser uma obra fantástica. Achei a cara dos livros que meu marido ama. Tem muito a ver com os gostos dele. Principalmente por envolver determinadas partes da História.
    Adorei seu post, detalhado e apaixonante. As fotos só nos fazem entrar mais no clima e ficar desejosos de conhecer de fato todas as personagens e os fatos. Amei mesmo.
    Grande abraço

  9. Avatar

    Paloma

    1 de dezembro de 2020

    Nossa que interessante esse livro e já começo falando que a capa é lindaa d +
    Também curto muito livros ambientados na Europa, principalmente na Irlanda. Amooo demais!
    Esse livro é um calhamaço, mas pelos elogios com certeza é maravilhosoooo… Quero muito ler.
    Beijos,
    Paloma Viricio

  10. Avatar

    Alice Martins

    1 de dezembro de 2020

    Olá Érika,

    Nunca li nada da autora, mas tenho muita vontade de ler esse livro, pois a capa e premissa me chamam bastante atenção. Adoro o fato do livro passear por alguns fatos importantes, pois creio que isso nos permita embarcar de cabeça na história, além do mistério, é claro, outra coisa que amo. Você citar que o final é surpreendente apenas me deixa mais curiosa, porque sou dessas que cria mil teorias e acerta poucas vezes haha Amei conhecer sua opinião!

    Beijos!

  11. Avatar

    Ana Letícia

    1 de dezembro de 2020

    Conheço uma obra da Kate, porém não essa! Achei muito interessante sua resenha.

  12. Avatar

    Ingrid

    1 de dezembro de 2020

    Aiii meu Deus! Para tudo com essa resenha. Já fiquei curiosa para ler esse livro. <3

  13. Avatar

    Carolina

    30 de novembro de 2020

    Adorei essa resenha! Não conhecia esse livro e nunca li nada dessa autora, vou adicionar esse livro na minha listinha ♥️

  14. Avatar

    Cidália

    30 de novembro de 2020

    Olá, Érika!

    Ainda não li nenhuma obra da Kate Morton, mas ao saber a sua opinião sobre A casa do lago, fiquei com vontade de acompanhar essa trama. Ainda mais sabendo que é uma história envolvente, que tem mistério e que a Ágatha Christie é citada!!! Dica anotada.

  15. Avatar

    Leticia Rodrigues

    30 de novembro de 2020

    Adorei conhecer a obra, dois mistérios e um local belíssimo, adoro tramas assim.

  16. Avatar

    Identifica-te

    30 de novembro de 2020

    Olá, tudo bem?
    Adorei ler essa resenha, fiquei apaixonada por conhecer a história, já ando à procura do livro, cada vez mais apaixonada pela leitura 🙂

  17. Avatar

    Mulher Virtuosa By Vany

    29 de novembro de 2020

    Oi Erika, eu não conhecia a autora e essa obra, que pela sua resenha vale muito a pena a leitura!

  18. Avatar

    Debora Sapphire

    29 de novembro de 2020

    Achei ótimo conhecer esse livro considerado o melhor lido por você nos últimos tempos. Adoro finais surpreendentes. Nunca cheguei a ler algo da autora, mas você despertou a minha curiosidade. Apesar de não ler mais com tanta frequência, eu gosto bastante de ler mistérios e criar mil e uma teorias e errar todas rsrs.

  19. Avatar

    Relíquias da Lara

    29 de novembro de 2020

    Eu acabei de comprar um Kindle e estou tentando voltar ao meu hábito de leitura, pois confesso que fazia algum tempo que eu não lia nada. Mas agora estou bem empolgada pra pegar o ritmo novamente. Vou com certeza deixar esse livro na lista, pois gosto bastante de histórias de mistério, mas ainda estou começando pelos livros menores, mas espero em breve já estar lendo os livros com muitas páginas. Enfim, gostei muito da sua resenha e das fotos também.

  20. Avatar

    Andressa Soriano

    29 de novembro de 2020

    Adorei a resenha, Erika! Fiquei super interessada em ler esse livro, a história parece ser uma delícia *-*

  21. Avatar

    Val

    29 de novembro de 2020

    Oi, Erika..nossa, pelo teu texto da pra.sentir o quanto tu se empolgou falando da obra. Amo quando livros me deixam extasiada assim. Cornualha eu só conheço por foto mesmo, e realmente é um lugar lindíssimo. Pensando nessa história inserida naquele ambiente.. gosto de tramas que possuam essas passagens de tempo, indo e vindo. Nao conhecia o livro mas fiquei curiosa em saber o desfecho, eu su péssima pra descobrir antes do fim hahaha
    Tschüss 😘

  22. Avatar

    Letícia Guedes

    29 de novembro de 2020

    Oioi! Não, eu não conhecia a autora e nunca li nenhuma das suas obras, mas fiquei curiosa com essa pois me lembrou um pouco uma das escritoras que gosto, a Lesley Pearse. Parecem ser escritas semelhantes, o que me deixou animada para tentar ler. Além disso, gosto de enredos históricos e o período da guerra costuma render boas ficções. Os mistérios são um adendo que também deixam a gente curioso. Agora, sobre lugares que já quis conhecer por causa de livros, acho que Londres (bem clichê), mais especificamente a London Eye. Ótimo post. Abs!

  23. Avatar

    Anna Vlise

    29 de novembro de 2020

    Não conheço mais já fiquei extremamente curiosa pra ler o livro, afinal não ter pontas soltas já me deixou mega animada e você fez uma resenha maravilhosa 😍👏🏻👏🏻

  24. Avatar

    Joana Darc

    28 de novembro de 2020

    Oi! Eu adorei a sugestão de livro é bem interessante 🙂